Quinta Feira, 24 de Setembro de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

Juros fecham em alta com riscos fiscais no radar e mercado à espera do Copom

TAXAS DE JUROS

Por enise Abarca

10 de Agosto de 2020 as 18:01

O mercado de juros resistiu com taxas perto da estabilidade até o começo da tarde, quando então passaram a subir, renovando máximas na etapa vespertina, mas num ambiente de liquidez bastante baixa.

Sem um condutor forte para os negócios e com agenda de indicadores restrita nesta segunda-feira, 10, a curva continuou ganhando inclinação a partir da piora da percepção de risco fiscal que tem puxado para cima principalmente os vencimentos mais longos, num dia também ruim hoje para o real.

A ponta curta fechou com avanço marginal nas taxas, com o mercado na expectativa pela ata da reunião do Copom que sai amanhã.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 fechou na máxima de 2,69%, de 2,652% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2025 subiu de 5,403% para 5,48%.

O DI para janeiro de 2027 encerrou com taxa de 6,44%, de 6,353%.

Como destacou a Tendências Consultoria, há vários fatores internos que seguem no radar como riscos aos ativos, "às vésperas do início das discussões sobre a legislação orçamentária para 2021 e em meio às dúvidas com a continuidade dos programas de auxílio-emergencial".

Além de pesar contra o câmbio, o economista Silvio Campos Neto afirma que "os DIs médios e longos também são influenciados por estas questões, o que reverte a tendência de baixa registrada após o Copom", afirmou.

Desde que o Copom restringiu ainda mais as condições para voltar a cortar a Selic, no comunicado da decisão da última quarta-feira, o mercado ampliou suas preocupações com a questão fiscal por acreditar que essa é uma variável-chave a definir o futuro da política monetária.

"Políticas fiscais de resposta à pandemia que piorem a trajetória fiscal do país de forma prolongada, ou frustrações em relação à continuidade das reformas, podem elevar os prêmios de risco", dizia o comunicado.

Essa mensagem, associada ao aumento das pressões para uma renovação dos programas de socorro do governo e possíveis dribles à regra do teto de gastos, tem estimulado uma realização de lucros na curva, cujos prêmios vinham bastante baixos depois da divulgação do IPCA-15 de julho.

"A comunicação do BC conseguiu dizer ao mercado que ele vai olhar para o fiscal e muita coisa tem sido ventilada nesse sentido nos últimos dias.

Caiu bem a probabilidade de cortar a Selic de novo", disse o gestor de renda fixa da Sicredi Asset, Cassio Andrade Xavier.

Na sua avaliação, o BC poderia manter a Selic em 2% no encontro de setembro e, a depender das condições, voltar a reduzir na reunião seguinte, quando pode estar mais clara a situação dos programas de auxílio-emergencial.

É consenso de que a ajuda está sendo fundamental para sustentar a recuperação da atividade, assim como também a de que no médio prazo não há condições fiscais para manter o programa.